Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Partilhar, partilhando

Aqui falo de coisas minhas e coisas que vou vendo ou vou sabendo. O que gosto e o que não gosto. Falo de tudo e de nada!

Partilhar, partilhando

Aqui falo de coisas minhas e coisas que vou vendo ou vou sabendo. O que gosto e o que não gosto. Falo de tudo e de nada!

Café, bica ou cimbalino

20150325_163329.jpg

 

 

Quando dizemos a palavra café, podemo-nos estar a referir a mais do que uma realidade. Pode ser as bagas do cafeeiro, pode ser a bebida resultante dessas bagas depois de passarem por vários processos ou pode ainda ser o local público onde é possível beber tal preparado. Ao café bebida damos-lhe ainda outros nomes, dependendo do sítio onde estivermos. No sul pede-se café, mas em Lisboa também se costuma pedir uma bica. No Porto usa pedir-se um cimbalino, que segundo sei será um café expresso. O nome não importa, importa sim, que seja bom. Somos grandes apreciadores e no nosso país bebe-se muito e bom. Damos conta disso quando vamos lá fora. Há cada beberragem com esse nome que é de fugir.

 

Beber um café no final das refeições ou vários nos intervalos das mesmas é um hábito muito nosso. Consoante os gostos fomos inventando formas para o pedir, formas rápidas para não se perder tempo com explicações. Assim, quando bebido simples pode ser curto, cheio ou duplo se queremos mais quantidade, se gostamos com leite passa a garoto, mas se desejamos muito fraco, basta pedir um carioca, o oposto será uma italiana. Uma bomba, talvez por isso o nome. Podemos ainda desejar que o café nos seja servido em chávena aquecida, tudo depende do gosto do freguês. 

 

Sobre café e o acto de o beber, poder-se-ia escrever uma enciclopédia. No meu canto de escrevinhar, não tenho tal pretensão. Aqui falo do que gosto e do que não gosto. E gosto de café, gosto de o beber e de o cheirar. Em casa quando o preparo e o cheiro ultrapassa a cozinha, não encontro aroma ambientador que se lhe compare. Na rua, quando o odor intenso me chega às células olfactivas, raramente lhe resisto. E vai mais um. Um quê, afinal?

 

No caso concreto não me refiro ao fruto do cafeeiro, nem ao lugar público onde se vende a bebida com ele preparada, mas sim àquela pequena porção de líquido escuro que me é servido quente, numa chávena pequena, que pode ser aquecida ou não, mas que tem de ser bem tirado, forte e deliciosamente aromático.

 

Fiquem bem. 

Mary S.

2 comentários

Comentar post