Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Partilhar, partilhando

Aqui falo de coisas minhas e coisas que vou vendo ou vou sabendo. O que gosto e o que não gosto. Falo de tudo e de nada!

Partilhar, partilhando

Aqui falo de coisas minhas e coisas que vou vendo ou vou sabendo. O que gosto e o que não gosto. Falo de tudo e de nada!

É preso por ter cão e preso por não ter

Hoje muitas aldeias do Concelho de Góis têm sido evacuadas pela ameaça do fogo. As autoridades têm tido em mãos mais um problema. Já não bastava o fogo que persiste desde sábado, as altas temperaturas, o cansaço acumulado, as suas vidas em risco na defesa dos outros, há o facto de muitas pessoas, na maioria idosas, se recusarem a deixar as suas casas, os seus animais, enfim tudo o que têm. 

Imagino o quanto deve ser doloroso abandonar os nossos pertences à mercê de tão feroz inimigo. A vontade será ficar e tentar lutar por eles. Mas e a vida? A sua e a vida dos que tudo fazem para os retirar e deixar num local seguro. Perante recusas peremptórias:

Devem esperar pela família, se houver, Psicólogo, Presidente da Junta ou até o Presidente da Câmara, para diplomática e pacientemente os convencer a entrar nos veículos, correndo o risco de acabarem por ficar lá todos;

Devem levá-los, querendo estes ou não, correndo o risco sério de serem acusados de excesso de força;

Devem respeitar a sua vontade, pois algumas pessoas dizem às autoridades que não querem sair, se tiverem que morrer, que seja na sua casa ou a defender as suas coisas. Neste caso se o fogo chega às aldeias e faz mortes ou feridos, acabam por ser acusados de ter deixado populações para trás.

É preso por ter cão e preso por não ter.

Tarefa muito complicada esta, tendo em conta que todos, populações, bombeiros e autoridades são seres humanos e estão sob pressão e a viver situações de limite. 

Fiquem bem. 

Mary S.

4 comentários

Comentar post