Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Partilhar, partilhando

Aqui falo de coisas minhas e coisas que vou vendo ou vou sabendo. O que gosto e o que não gosto. Falo de tudo e de nada!

Partilhar, partilhando

Aqui falo de coisas minhas e coisas que vou vendo ou vou sabendo. O que gosto e o que não gosto. Falo de tudo e de nada!

Interessa o estado civil da culpa?

Em situações de tragédia como a que aconteceu recentemente no País, o Estado raramente se livra de que lhe sejam imputadas culpas. É fatal. Pode até ter havido causas naturais que expliquem as calamidades, mas as entidades envolvidas recebem quase sempre uma chuva de críticas. E regra geral com razão. 

A principal acusação feita aos agentes, é a demissão das suas obrigações, estou a referir-me à omissão de actos e responsabilidades no âmbito das suas competências, portanto no mínimo são situações de negligência no exercício de cargo ou cargos públicos.

Deveria ser considerado muito grave, mas por cá a única consequência tem sido o afastamento dos cargos. O chamado rolar de cabeças. Às oposições sempre lhes tem bastado lutar pelo afastamento dos responsáveis pela tutela e assim arrumam o assunto, até chegar o próximo. 

É indispensável que se exija o apuramento da verdade dos factos, e para que não haja a tendência de branquear ou distorcer os relatórios, conforme os interesses envolvidos, deveria esse levantamento ser feito por uma entidade isenta. Só depois disso e se ficar provado que há culpados, deveriam estes ser punidos.

Tendo em conta os graves incêndios no interior do país, que duraram quase uma semana, o Governo e a Oposição devem parar para reflectir sobre os problemas da nossa floresta e chegar a um compromisso sério, doa a quem doer, sendo fundamental que depois verifiquem o cabal cumprimento das normas que daí resultarem, nesta e em todas as legislaturas que se sigam.

Entendam-se é chegado o momento de, sem demagogias ou politiquices mesquinhas, abraçar a questão do Ordenamento Florestal como uma prioridade nacional. 

Que a culpa não morra solteira, diz-se muito nestas alturas.  Pessoalmente, o estado civil da culpa, à hora da morte, não me interessa. Não quero saber se ela morre solteira, casada, amigada ou divorciada.

O que me interessa saber com a maior certeza, é que a culpa é sempre honestamente investigada e exemplarmente punida, quando for caso disso. Parece simples, mas na verdade não é. 

Fiquem bem.

Mary S.

2 comentários

Comentar post