Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Partilhar, partilhando

Aqui falo de coisas minhas e coisas que vou vendo ou vou sabendo. O que gosto e o que não gosto. Falo de tudo e de nada!

Partilhar, partilhando

Aqui falo de coisas minhas e coisas que vou vendo ou vou sabendo. O que gosto e o que não gosto. Falo de tudo e de nada!

Cercas e Vedações

 

eee.jpg

Foto da Net

 

Por uma questão de segurança os terrenos agrícolas devem ser vedados. As vedações devem ser regularmente inspecionadas, porque não vale e pena gastar dinheiro e ter uma cerca com aberturas. O gado pode escapar-se e os amigos do alheio entram com mais facilidade. 

Porque estou a falar em cercas e vedações?

É que há coisas que acontecem no meu país que me custa a assimilar. Sobretudo quando começo a ver e a ouvir que há falhas grosseiras, incúria e negligência.

Em questões de segurança das populações, doa a quem doer tem de se encontrar e punir os verdadeiros responsáveis. A incúria já vem de longe e há muitos culpados.

A notícia do roubo de armamento militar em Tancos, tirou-me do sério. Afinal aconteceu tal qual acontecem os roubos no campo. Porque a vedação do terreno estava caída em algum sítio, ou por descuido alguém deixou o portão aberto ou na maior parte das vezes porque a propriedade não tinha no momento ninguém a vigiar.

E lá se vão as alfaias agrícolas, a palha, a cortiça, a azeitona ou cabeças de gado. Este tipo de roubos são muito frequentes. 

Mas os bens roubados em Tancos não eram desse tipo, eram outros, podemos dizer até que eram bens que deviam estar guardados à prova de ladrões, mas os "feitores e capatazes" andaram distraídos e esqueceram-se desse pequeno pormenor. E tal como acontece nos terrenos dos privados, a cerca também estava estragada e não havia ninguém a guardar a propriedade. Os ladrões entraram e levaram o que queriam.

Depois da casa roubada, trancas na porta. Já estão a colocar. Espero que este fim de semana ao menos arranjem a cerca. 

Fiquem bem.

Mary S.

A dona da casa não está

 Telefonemas.jpg

  

Sou uma mártir das chamadas telefónicas que recebemos no telefone fixo ou no telemóvel sem que se tenha tido qualquer aproximação a essas empresas. Publicidade agressiva, pura e dura. Não me tinha apercebido do verdadeiro massacre que é feito a quem apenas deseja que a deixem em paz, mas estar em casa durante alguns meses deu para perceber. Recebo chamadas de tudo um pouco, para aderir a cartões de crédito, empréstimos pessoais, seguros de saúde, rastreio de problemas nos ossos, para responder a sondagens e outras. Mas sem dúvida a maior fatia são das operadoras de comunicações. Umas melgas, que de tanto melgar, me tiram do sério. 

Já disse milhentas vezes que não estou interessada em mudar de operadora. Estou cansada de pedir para anotarem nos ficheiros que não quero receber este tipo de chamadas, mas continuam a insistir. Já pedi, já supliquei, já barafustei, já me enervei e nada. Não desistem e estou a ponderar deixar de ter telefone fixo, porque não sendo o único meio de onde me chegam, porque pelo telemóvel também acontece, é por aí que a fonte chamativa mais jorra.

O que me faz às vezes respirar fundo e não explodir, é lembrar-me que do outro lado está uma pessoa num call center a fazer o seu trabalho. Pessoas que ganham muito pouco e que estão a fazer aquele serviço, porque na maioria dos casos não encontraram coisa melhor.

Mas entretanto arranjei uma estratégia. Agora quando recebo essas chamadas e para que a conversa seja travada, evitando discussões inúteis, atendo o telefone e digo:

- A dona da casa não está. Não sei quando volta. 

Ultimamente temos vivido na paz do Senhor, eles e elas cumprem o número de chamadas diárias que têm de fazer e eu não me enervo. Tenho de cuidar da minha tensão arterial.  

Fiquem bem.

Mary S.